Novo

Dados que salvam vidas de mães e filhos: o Grand Challenges Explorations na Campus Party Natal

Por Ana Flávia Sanção

Maria Paola de Salvo no palco Feel the Future. Foto: Equipe Grupert. 

“Nós sabemos mais sobre o funcionamento de um avião do que sobre o desenvolvimento cognitivo de uma criança”, começa a jornalista e diretora de comunicação da Global Health Strategies Maria Paola de Salvo em sua palestra “Dados que salvam vidas e valem 100.000 de dólares” na Campus Party Natal.

A missão de Maria é apresentar ao público do evento a nova chamada do Grand Challenges Explorations “Ciência de dados para melhorar a saúde materno-infantil no Brasil”. A proposta é escolher projetos inovadores que utilizem dados para gerar soluções em 17 questões da saúde de mães e crianças dentre os seus primeiros 1000 dias de vida.

“Os primeiros mil dias, que é desde a concepção do bebê até ele ter dois anos, definem até 80% do que o adulto vai ser, então é muito importante investir nessa fase se a gente quiser garantir adultos mais saudáveis, com maior capacidade de produzir frutos para o Brasil, com maior capacidade de aprender, de se desenvolver na escola, de chegar nas universidades”, explica Maria.

A GCE é uma iniciativa global da Fundação Bill & Melinda Gates (FBMG) com objetivo de financiar ideias transformadoras nas áreas de saúde e desenvolvimento social. Desde 2009 já foram aceitos 14 projetos, com mais de 1000 propostas recebidas. Cada projeto tem um financiamento de 100.000 dólares para se desenvolver e deve ser aplicado até um ano e meio. A intenção é juntar propostas de várias áreas diferentes e em cima disso sugerir novas políticas públicas para melhorar a vida das populações mais carentes.

Esta é a primeira chamada do Grand Challenges Explorations direcionada exclusivamente para brasileiros, resultado de uma parceria da FBMG com o Ministério da Saúde (MS), o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), as Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (FAPs) e o Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (CONFAP).

Para Maria, o investimento na ciência é essencial para o desenvolvimento social e econômico dos países. Ela acredita na capacidade dos pesquisadores brasileiros, mas destaca que o investimento ainda precisa melhorar. “A comunidade científica brasileira tem muito potencial, só que tem baixo investimento. O governo precisa enxergar isso e passar a investir mais. Então, o que a Fundação tenta fazer é apostar nesse potencial da ciência brasileira e complementar um pouco com editais, os chamados de financiamentos, para que possam financiar essas ideias que precisam sair do laboratório e atingir o mundo”, diz.

As inscrições para a chamada do GCE estarão abertas até o dia 2 de maio. Para mais informações: http://grandchallenges.org

Nenhum comentário