Recentes

Existe vida pós-relacionamento abusivo?

Por Francisca Pires 


A resposta parece óbvia. Afinal, nos é ensinado que existe vida pós tudo que não seja a morte. Simples assim. Mas a vida que me refiro tem relação com o tão aclamado “seguir em frente”, estando completamente cicatrizado e curado dos abusos da relação anterior. 

Primeiro é necessário entender o conceito de seguir em frente e como ele funciona de modo diferente para cada pessoa. Você pode voltar a frequentar bares e boates sem estar curado. Você pode se relacionar, casual ou de maneira séria, novamente sem estar curado. Você pode gritar sua cura pelos quatro cantos da cidade, redes sociais e rodas de amigos sem estar de fato curado. Isso porque o processo de cura vem de dentro, é um ato de amor feito por você para você mesmo, de forma particular, sem nenhuma influência exterior. 

O processo de cura vai muito além de esquecer o ex-relacionamento e, portanto, a pessoa que te oprimiu. Até porque, em maior parte dos casos, quando a vítima entende a situação a que estava submetida muitos sentimentos vem à tona: raiva, angustia, nojo e desprezo. Todos esses sentimentos emergindo junto com o luto, tristeza e a consciência de que o relacionamento acabou, te coloca em um conflito que precisa ser administrado por você e mais ninguém. 

Demora um tempo até que todo esse conflito se torne aprendizado. Não se culpe. Seu tempo faz parte de quem você é, ele não é seu inimigo. Pelo contrário, o tempo é responsável pela construção do seu autoconhecimento e a busca pela paz interior só pode se tornar efetiva através dele. Não se sinta pressionado a recomeçar. O recomeço vem a cada pequena vitória do dia a dia, ele vem através do perdão que você dá aos outros e a si mesmo. E principalmente, o recomeço é algo bom. E totalmente seu. Não deixe que as pessoas influenciem negativamente nessa construção, afinal, aqueles que comentam coisas do tipo “Já deu de sofrer”, “Supera isso”, “Já faz muito tempo”, não viveram o abuso. Você viveu. 

Por fim, se reconquiste. Tenha orgulho do que viveu. E isso, ao contrário do que muitos pensam, não significa apagar da memória seu passado ou menosprezar a dor que sentiu. A relação abusiva prejudica sua autoestima para que você não enxergue que tem qualidades suficientes para sair dela, por isso, sinta orgulho de ter sido forte o bastante para se livrar do que te fazia mal e continuar tentando ser feliz. Sinta orgulho da pessoa que segurou a barra junto com você: você mesmo. Se olhe no espelho e veja o quanto é lindo estar de pé carregando todas as marquinhas e cicatrizes da guerra que enfrentou. Sinta orgulho de ter amado e de poder continuar amando. Amando os outros, mas primeiramente e principalmente, amando a si. 

A vida pós-relacionamento abusivo existe sim e é linda. Ela vai acontecer no seu tempo, do seu jeito, através do seu processo de cura. Ainda que você procure ajuda profissional para entender e se conhecer mais profundamente, o que é louvável e extremamente recomendado, o mérito continua sendo seu. Seus sentimentos estão pouco a pouco se organizando para te tornar a melhor versão de você mesmo. Agora, enquanto você lê esse texto, quero te pedir para seguir sendo forte. Tenho orgulho de você, assim como hoje aprendi a ter orgulho de mim.

Nenhum comentário